Placenta prévia: uma das causas de sangramento na gestação

Normalmente diagnosticado no segundo semestre, é um problema importante que precisa de cuidados.

Corpo & Saúde
regenesis-mulher-e-gestacao-placenta-previa

Você já ouviu falar em placenta prévia? Ela pode tornar-se uma das preocupações de gestantes após o segundo trimestre, já que, caso receba esse diagnóstico, a grávida deve evitar esforços e redobrar os cuidados para minimizar riscos. A boa notícia, porém, é que esta é uma condição pouco frequente.

No artigo de hoje, a Ginecologista e Obstetra Dra. Daniele Gattás explica como é feito o diagnóstico de placenta prévia, fala sobre os riscos que essa condição pode trazer para mãe e bebê e diz quais são os cuidados necessários após o diagnóstico. Confira!

O que é a placenta prévia?

“Placenta prévia é a presença de tecido placentário obstruindo totalmente ou parcialmente o segmento inferior do útero conhecido como orifício cervical interno”, resume a médica. Segundo a obstetra, essa ocorrência pode ser classificada como placenta prévia total, parcial ou marginal.

Como obstrui o colo do útero, a placenta prévia influencia diretamente na via de parto

“Quando a placenta prévia é total ou parcial, a via de parto é a cesariana, porque não tem como o feto passar pelo colo de útero através da placenta. Aqui no Brasil, mesmo em se tratando de uma placenta prévia marginal, normalmente é realizada uma cesariana para diminuir as chances de sangramento materno e o risco de morte”, diz a médica.

Quando é feito o diagnóstico de placenta prévia?

Segundo a Dra. Daniele, com a realização de um bom pré-natal, as alterações placentárias costumam ser identificadas muito cedo na gravidez. Entretanto, o diagnóstico de placenta prévia só é fechado após 28 semanas de gestação.

“Algumas vezes, o ultrassonografista coloca no exame que a placenta é de inserção baixa. Em alguns casos, essa alteração pode aparecer antes das 28 semanas, mas só podemos dar o diagnóstico de placenta prévia por meio de um ultrassom transvaginal após 28 semanas de gestação”, detalha. Felizmente, em 90% dos casos, o crescimento uterino faz com que a placenta desobstrua o orifício cervical interno até o fim da gestação.

Quais são os sintomas da placenta prévia?

A médica explica que a placenta prévia não causa dor e, na maioria dos casos, a única alteração é o sangramento vaginal. Muitos diagnósticos ocorrem após a gestante apresentar o principal sintoma: o sangramento genital.

“Geralmente, é um sangramento vermelho vivo, que pode ser em pequena ou grande quantidade, descreve a médica.

“Quando ela procura a urgência com queixa de sangramento pela vagina, o obstetra de plantão deverá realizar um exame especular, para avaliar de onde vem esse sangramento. O exame de toque vaginal deve ser evitado até o diagnóstico ser dado para evitar o contato com a placenta e aumentar o risco de sangramento”, explica.

Quais são os riscos para mãe e bebê?

A placenta prévia aumenta o risco de hemorragias antes, durante ou após o parto. “Para a mãe, o risco principal é o de sangramento que, se for importante, pode evoluir para um choque hipovolêmico ou uma coagulação intravascular disseminada e aumentar o risco de morte”, explica.

Já para o feto o maior risco é a prematuridade. “Muitas vezes, é necessário realizar o parto prematuro para parar o sangramento materno”, explica. 

“Quando há sangramento em uma gestante com placenta prévia antes do termo, o médico prescreve a administração de corticoide para promover a maturação pulmonar e tentar diminuir o impacto da prematuridade nesses fetos”, diz a médica.

Quais cuidados a gestante com placenta prévia deve tomar?

Após o diagnóstico, a paciente é orientada a ficar de repouso e tomar certos cuidados para evitar sangramentos. Eles incluem:

– não fazer sexo com penetração;

– não fazer esforço ou atividade física;

– procurar um serviço de urgência ao menor sinal de sangramento.

Caso haja sangramento vaginal e contrações uterinas em um quadro com suspeita de placenta prévia, a paciente é internada imediatamente para fazer o controle materno e da vitalidade fetal”, alerta a Dra. Daniele.

Logo, vale reforçar, portanto: todo sangramento na gravidez deve ser investigado o quanto antes por um profissional de saúde qualificado.

Sabemos que nada é mais importante do que chegar ao final da gestação com a saúde em dia. Por isso, convidamos você a conhecer Regenesis Premium, um suplemento para gestantes que pode ser ingerido desde o início da gestação. Ele não só contribui para o desenvolvimento do bebê como também ajuda a minimizar riscos na gestação!

Dra. Daniele Gattás - Obstetra e Ginecologista | Mulher e Gestação

Daniele Gattás é Obstetra e Ginecologista com residência no Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira (IMIP), onde realizou mestrado e doutorado em Saúde Materno Infantil. É Professora Adjunta de Obstetrícia na Universidade Federal de Pernambuco.

No vídeo a seguir, a Publicitária e Influenciadora digital Taynara Sanches conta como foi receber a notícia que sua bebê possuía um higroma cístico no início da gestação. A boa notícia é que, assim como na maioria dos casos de placenta prévia, o quadro foi revertido. Confira!

logo-regenesis-premium-home

Regenesis é uma linha completa de suplementação com ciência para tentantes e gestantes.

O Regenesis Premium possui 600mg de Ômega-3, Metilfolato (a forma ativa do ácido fólico), 2.000 UI de vitamina D, Ferro além de outras 13 vitaminas e minerais.

Seu suplemento vitamínico durante a gestação!

Conheça a nossa linha de produtos e
encontre a farmácia mais próxima de você.

20-06-2022
o que é placenta prévia placenta placenta baixa placenta prévia placenta previa placenta prévia classificação placenta prévia cuidados placenta prévia marginal placenta prévia sintomas placenta prévia tem risco de morte placenta prévia total
Gostou? Compartilhe com sua rede!

Comentários

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments